4 de nov de 2009

Pesquisa traça perfil de vítimas de abuso sexual

Cerca de 61% das crianças e adolescentes vítimas abuso ou exploração sexual no Brasil já pensaram em suicídio, segundo a World Childhood Foundation (WCF). Desses, mais de 58% já tentaram de fato praticá-lo. Entre os motivos apresentados, 20% relacionaram a vontade de morrer à violência sexual. A pesquisa foi feita com 66 meninas e três meninos com idade entre 10 e 19 anos de oito estados (Pará, Sergipe, Rio Grande do Norte, Piauí, Bahia, São Paulo, Mato Grosso e Rio Grande do Sul), que foram vítimas desses crimes e hoje são atendidas por instituições especializadas. O relatório mostra ainda que a prática leva também a outras situações traumáticas, como a gravidez indesejada, aborto e abandono dos filhos. Três em cada dez meninas vítimas de exploração sexual já ficaram grávidas pelo menos uma vez na vida, sendo que 17% delas perderam os filhos por abortos naturais (6%) ou provocados (11%). Das que levaram a gravidez adiante, apenas 5,8% vivem com seus filhos hoje. Dos entrevistados, 40% dizem que usam o dinheiro recebido no para autossustento, mas 65% relatam que gastam comprando objetos pessoais, como celulares e roupas de marca. Para 30% das vítimas, o dinheiro obtido com o sexo é usado para comprar drogas, especialmente álcool (88%) e cigarro (63%) A pesquisa constatou ainda que, além da relação sexual, a violência contra crianças e adolescentes acontece mais comumente na forma de conversas sobre sexo (74,2%), manipulação de partes íntimas do corpo da criança/adolescente (50,7%) e pedidos para ser tocado (43,1%).

Fonte: Folha de Londrina PR – 04/11/2009



Nenhum comentário:

Postar um comentário