17 de ago de 2012

Seres cria projeto piloto de educação para agentes penitenciários

Medida foi tomada após denúncias publicadas com exclusividade pelo Diario de exploração sexual de crianças e adolescentes no Complexo Prisional Professor Aníbal Bruno
  
A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) criou um projeto piloto de educação para técnicos e agentes penitenciários, após as denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes dentro do Complexo Prisional Professor Aníbal Bruno. A ideia é capacitar os 1,5 mil funcionários, detalhando o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A proposta foi apresentada ao Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA/PE), em assembleia extraordinária convocada para averiguação das medidas tomadas pela secretaria após as denúncias virem à tona. No dia 30 deste mês, a Seres promete levar uma proposta definitiva do plano de educação para a quarta audiência pública com o Ministério Público.

A proposta inicial é capacitar 120 técnicos e agentes, de setembro a dezembro, com oficinas de sensibilização, metodologia de trabalho e informações sobre redes de exloração e abuso sexual. Antes de ser entregue ao Ministério Público, uma cópia do documento deve ser concedida ao CEDCA/PE. “É um conteúdo que vem sendo produzido há quatro meses. Sabemos que com planejamento conseguiremos atingir as metas. Nossa ideia é expandir para outras unidades posterioremente”, afirmou o secretário executivo de ressocialização, Romero Ribeiro.

Todo domingo, entram em média 15 mil visitantes no local. Segundo as denúncias, adolescente entram com carteiras de indentidade originais roubadas. Elas trocam as fotos do documento e recebem R$ 30 por programas realizados nas unidades. Na quarta-feira, uma adolescente de 16 anos foi flagrada utilizando documentação falsa para entrar no complexo. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário